Diário da Manhã

sexta, 22 de novembro de 2019

Notícias

Alunos de escola do Dunas ganham 21 medalhas em competição nacional

Alunos de escola do Dunas ganham 21 medalhas em competição nacional
21 outubro
08:41 2019

Ao todo, 26 medalhas de ouro, prata e bronze foram conquistadas por alunos do Município. As Emefs da colônia, Bruno Chaves e Nestor Elizeu Crochemore, também figuram na seleta lista de vencedores do Brasil

Planetas, constelações, galáxias, foguetes… Se antes o significado destes termos parecia distante à realidade dos alunos do Dunas e eram fruto do encantamento dos jovens apenas quando vistos pela televisão ou na internet, agora, a história mudou. Com o projeto ‘Astronomia, Astronáutica e Lançamento de Foguete’, viabilizado pela Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Núcleo Habitacional Dunas, cerca de 45 estudantes têm na sua rotina os conhecimentos mais vastos relacionados à imensidão do espaço sideral. Mais do que aprender, eles provam que a iniciativa tem resultados e representa um caminho para a realização de sonhos e transformação de vidas.

Neste ano, 21 medalhas de ouro, prata e bronze foram conquistadas pelo grupo na 22ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e na 13ª Mostra Brasileira de Foguetes (MobFog) – seis na primeira competição e 15 na segunda, respectivamente. Mais de 800 mil estudantes brasileiros participaram da competição, organizada pela Agência Espacial Brasileira, em colaboração com a Sociedade Astronômica Brasileira. O município também tem motivo para se orgulhar de cinco alunos da zona rural, das Emefs Nestor Elizeu Crochemore (7º distrito) e Bruno Chaves (9º distrito), que obtiveram medalhas de prata e bronze no lançamento de foguetes.

Materiais simples, como garrafas pet, fita isolante e pedaços de pastas plásticas compõem os foguetes responsáveis por trazer as 15 medalhas na MobFog para o educandário do Dunas – 11 a mais do que no ano passado. A superação nos resultados e a crescente melhora no desempenho dos alunos do 3º ao 6º ano, que têm entre 7 e 12 anos, são atribuídas pela professora idealizadora do projeto, Aline Rodrigues, à perseverança e persistência dos pequenos. A distância de 155 metros foi atingida com o lançamento de um deles, contou a docente.

“Não trabalhamos somente aspectos relacionados à astronomia, mas também interpretação de texto, raciocínio lógico, oratória, astrofísica, literatura… Tudo que vai colaborar para o desempenho deles na prova e, claro, como pessoas também. Reforço bastante a importância do pensamento positivo, da filosofia do ‘eu quero, eu posso, eu consigo’. Esses alunos são a prova de que isso é verdade”, afirmou Aline, orgulhosa dos feitos.

Os 50 anos da primeira viagem do homem à Lua foi um dos temas mais abordados com a turma, neste ano – um dos temas que mais chama a atenção dos alunos. O conhecimento é reforçado graças a uma apostila elaborada pela professora, de acordo com cada idade, que compila exercícios e conceitos indispensáveis para as provas. “Ensino para eles que, por serem de um bairro mais pobre, não significa que não podem ser o que quiserem. As medalhas simbolizam a soma deste nosso esforço”, enfatizou.

Evelyn Hoffmann, 11 anos

Evelyn Hoffmann, 11 anos

Meninas na ciência  

Há quem ainda relacione o mundo da ciência e das descobertas somente aos homens, mas Evelyn Hoffmann, 11 anos, e Luana, 12, são a prova viva de que isso não é verdade. Mesmo com a pouca idade, as meninas foram atraídas pelo universo de conhecimento abrangido pela ciência e, hoje, são medalhistas das maiores competições a nível nacional na área da Astronomia. “Sempre me interessei por estrelas e galáxias, então quando soube deste projeto na escola fiquei muito feliz”, disse Evelyn, que integra a iniciativa há menos de um ano e já é ganhadora de duas medalhas.

Luana, 12

Luana, 12

A aluna, que sonha em ser médica, acredita que todo o aprendizado adquirido nas aulas será fundamental para que tenha um futuro de realizações. “Meu sonho é melhorar de vida e sei que isso vai acontecer se continuar estudando; é o que minha mãe sempre diz. Quero dar muito orgulho para a família”, enfatizou. Luana Prestes é outro exemplo do grupo que pensa em utilizar os saberes adquiridos para seguir no mundo da astronomia.

“Quero um dia trabalhar na NASA”, resumiu a jovem.

Ela, assim como Evelyn, adora contemplar as estrelas e estudar as constelações – a sua preferida é a de Orion. O bronze conquistado nesta edição da MobFog não é novidade para Luana: no ano passado, saiu da competição com a medalha dourada no peito. Questionada sobre as inspirações na profissão, a menina apontou Iuri Gagarin, astronauta soviético e primeiro homem a viajar pelo espaço, em abril de 1961.

Projeto

Criada por Aline em 2004, a iniciativa já foi executada em outros estados, como Espírito Santo. O conteúdo programático prevê a observação das estrelas e fases da lua e conceitos da física, assim como a história da astronomia e astronáutica, a relação do homem com o espaço astronômico e espaço humanizado, conscientizando-se para a preservação do meio ambiente. Professora no Dunas desde 2012, Aline também ministra o projeto na escola estadual Coronel Pedro Osório.

Alunos do 9º ano entregaram ao grupo da escola municipal a base de lançamento para foguete CELMA – denominação originada pelas letras iniciais dos nomes dos cinco responsáveis pela elaboração do equipamento. De acordo com a docente, ele será fundamental para aprimorar o trabalho, o que resultará em distâncias maiores.

Reconhecimento que engrandece

A doação de um telescópio novo, feita pela família Etges – que soube da iniciativa nos meios de comunicação e quis colaborar com o conhecimento do grupo – vai permitir que os pequenos possam estudar as constelações, de forma mais qualificada, a partir de novembro. “Ficamos muito felizes porque é um reconhecimento ao nosso trabalho”, concluiu Aline.

Veja todos os vencedores do Município

e274f8bb62de06f62563215c8d6d416d4dccf242

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções