Diário da Manhã

segunda, 15 de outubro de 2018

Notícias

Bolsonaro e Haddad vão lutar pela Presidência da República

Bolsonaro e Haddad vão lutar pela Presidência da República
08 outubro
09:24 2018

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) convocou os eleitores para a disputa do segundo turno no dia 28 de outubro, quando irá enfrentar Fernando Haddad (PT).

“Temos de acreditar no nosso Brasil. Não podemos nos recolher. Faltam três semanas”, disse em transmissão pelas redes sociais, acompanhado do economista Paulo Guedes, seu assessor econômico na campanha e eventual ministro da Fazenda em caso de vitória.

Ele ainda agradeceu aos brasileiros pelos votos que recebeu. Bolsonaro venceu em quatro regiões do país, perdeu somente no Nordeste. “Tenho certeza que ampliaremos esta vantagem no segundo turno”, disse.

Urnas eletrônicas

Bolsonaro disse que irá ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para cobrar soluções sobre problemas em urnas eletrônicas durante a votação deste primeiro turno. No Rio de Janeiro, foram registradas longas filas na seções eleitorais por causa de problemas em troca de urnas e biometria. “Vamos juntos ao TSE para exigir soluções para isto que aconteceu agora. Não foi pouca coisa. Foi muita coisa. Se nós tivéssemos confiança nas urnas eletrônicas, já teríamos o nome do futuro candidato à Presidência da República definido hoje”, afirmou o candidato.

O candidato também fez críticas à campanha do PT. “Eles têm bilhões para gastar e parte da mídia. Quase quebraram o BNDES e muitos bancos. Afundaram empresas”, afirmou.

Haddad fala em unir democratas e debater “olho no olho” no 2º turno

No primeiro pronunciamento após a confirmação da disputa de segundo turno na corrida presidencial, o candidato Fernando Haddad (PT) afirmou haver “muita coisa em jogo” no pleito deste ano e sinalizou a busca de apoio nas próximas três semanas de campanha. Até a última atualização do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o petista tinha 28,95% dos votos válidos contra 46,26% de Jair Bolsonaro (PSL), com 98,86% das urnas apuradas. O segundo turno será realizado no próximo dia 28 de outubro.

“Esta eleição coloca muita coisa em jogo. O próprio pacto da Constituinte de 1988 está em jogo em função das ameaças que sofre quase diariamente”, afirmou. A declaração foi dada em um hotel no bairro do Paraíso, em São Paulo, na presença de dezenas de apoiadores, correligionários e aliados, incluindo a candidata a vice-presidente na chapa, Manuela d’Ávila (PCdoB) e integrantes do PROS, o outro partido que compõe a coligação.

O petista afirmou já ter conversado por telefone com Ciro Gomes (PDT), Guilherme Boulos (PSOL) e Marina Silva (Rede). “Tenho muita consideração por todos e a ideia é manter o diálogo aberto”, disse. Segundo a assessoria do candidato, Haddad trocou telefonemas de cumprimentos com os três adversários, mas ainda não foi definida uma agenda de conversas para viabilizar o apoio deles no segundo turno.

A assessoria de Haddad informou ainda que o governador reeleito da Bahia, Rui Costa (PT), está articulando uma reunião com governadores do PT e aliados para a próxima terça-feira (9), em São Paulo, para discutir o apoio nos estados na sequência da campanha eleitoral. O presidenciável também deve visitar amanhã (8) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, e em seguida deve conceder uma entrevista coletiva à imprensa.

Discutir o Brasil

Em seus discurso, Fernando Haddad disse ainda que pretende “unir os democratas do Brasil” em torno de um projeto que tenha como prioridade o combate as desigualdades sociais do país e a defesa da soberania nacional e popular. Ele falou ainda que o segundo turno abre oportunidade para discutir “frente à frente e olho no olho”.

“Vamos para o campo democrático com uma única arma: o argumento. Nós vamos com a força do argumento para defender o Brasil e seu povo, sobretudo o povo mais sofrido do país”, afirmou. Ao fazer referência ao resultado das urnas, que apontou vasntagem de 18 pontos para Bolsonaro, o petista disse que os números são “expressivos e apontam para os riscos que a democracia corre no país”.

PRESIDENTE (Parcial 99% Apurados)

  1. Jair Bolsonaro – PSL – 46,06% – 49.248.551 votos
  2. Fernando Haddad – PT – 29,23% – 31.253.408 votos
  3. Ciro Gomes – PDT – 12,47% – 13.334.834 votos
  4. Geraldo Alckmin – PSDB – 4,76% – 5.092.050 votos
  5. João Amoêdo NOVO 2,50 % – 2.679.220votos
  6. Cabo Daciolo PATRI 1,26% – 1.347.882 votos
  7. Henrique Meirelles MDB 1,20% – 1.288.586 votos
  8. Marina Silva REDE 1,00% – 1.069.274 votos
  9. Alvaro Dias PODE 0,80% – 859.463 votos
  10. Guilherme Boulos PSOL 0,58% – 616.977 votos
  11. Vera PSTU 0,05% 55.740 votos
  12. Eymael DC 0,04% 41.693 votos
  13. João Goulart Filho PPL 0,03% 30.165 votos
  • APURADOS (99%) 117.222.093 
  • VÁLIDOS: 106.919.897 (91,21%) 
  • BRANCOS: 3.104.953 (2,65%)
  • NULOS:  7.197.243 (6,14%)
  • ABSTENÇÕES: 29.889.614 (20,32%)

Comentários ()

Seções