Diário da Manhã

quinta, 02 de julho de 2020

Notícias

 Mais recentes

CELULARES : Estado usará dados sobre mobilidade da população para combater pandemia

CELULARES  :  Estado usará dados sobre mobilidade da população para combater pandemia
07 maio
09:03 2020

A mobilização para conter o avanço do novo coronavírus no Rio Grande do Sul ganha um novo aliado. A partir de uma parceria com as principais empresas de telefonia celular – Claro, Oi, Tim e Vivo –, o governo do Estado terá acesso a dados agregados e não individualizados sobre deslocamento populacional, em tempo real, nas diferentes localidades do Estado. O objetivo é ter insumos para a tomada de decisões estratégicas no combate à pandemia. O acesso da base de dados das operadoras é limitado a pessoas específicas e foi liberado ontem.

As informações disponibilizadas representam um elemento decisivo, junto a outros estudos analisados no Comitê de Crise

As informações disponibilizadas representam um elemento decisivo, junto a outros estudos analisados no Comitê de Crise

As informações, geradas a partir de dados da rede móvel das diferentes operadoras, permitirão acompanhar a mobilidade populacional e identificar situações de aglomeração de pessoas que, segundo as autoridades sanitárias, representam os maiores riscos de contaminação pela Covid-19.

Sem qualquer custo para o Estado, o termo de cooperação técnica com as empresas que atuarão em parceria foi firmado no final de abril. Ao comentar a cooperação das operadoras, o governador Eduardo Leite ressaltou, durante transmissão ao vivo pela internet nesta quarta-feira (6/5), o quanto a disponibilidade de dados a partir das redes móveis poderá auxiliar nesse momento.

“Certamente teremos um conjunto de informações que serão importantes para respaldar futuras medidas que precisaremos adotar. Desde o início da nossa mobilização diante da pandemia, as ações que implementamos sempre se basearam em indicadores, em evidências científicas, ao que agora se soma o acompanhamento da mobilidade por meio das antenas de celular”, acentuou Leite.

As informações serão apresentadas em um modelo de “mapa de calor” que indica maior ou menor concentração populacional por localidade, em diferentes períodos. Os dados que serão consultados estarão em nuvem pública (Data Lake) e organizados de forma agregada, estatística e anônima, de acordo com as normas da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e do Marco Civil da Internet.

“Esse é um aspecto que é necessário frisar para a sociedade: o sigilo pessoal estará assegurado. Não nos interessa saber sobre o comportamento de cada pessoa. O que precisamos acompanhar é a aglomeração de pessoas, o quanto determinados comunidades nos municípios ou até em bairros menores deixam suas casas e com qual frequência”, acrescentou o governador.

COORDENADORA do Comitê de Análise de Dados sobre a pandemia, a secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), Leany Lemos, lembrou que a solução que as empresas estão oferecendo será um importante insumo agora que o governo está migrando para o modelo de distanciamento controlado.

“Respeitar o isolamento social é a solução mais indicada para conter o avanço da pandemia e não sobrecarregar os serviços de saúde. Quanto mais pudermos aprimorar esse controle, em especial nas populações de risco e em regiões de maior disseminação do vírus, mais vidas serão salvas”, destacou Leany.

O Rio Grande do Sul está sob decreto de emergência por conta da doença, e o governo determinou restrições a diversas atividades, o que inclui a suspensão das aulas em todas as redes. Na avaliação do secretário de Governança e Gestão Estratégica (SGGE), Cláudio Gastal, as informações disponibilizadas representam um elemento decisivo, junto a outros estudos analisados no Comitê de Crise, para que o governo implante políticas públicas mais eficazes no combate ao coronavírus.

“O celular está junto das pessoas na maioria do tempo. Nesse sentido, os dados emitidos por ele se tornam confiáveis para visualizar se há aglomerações e onde. Garantimos respeito à privacidade. Nosso interesse não é o CPF, sequer teremos essa informação. Queremos visualizar o macro, entender onde e por qual motivo há aglomerações de pessoas”, observou Gastal. A Procergs também participa da cooperação.

Atuando em parceria, as principais operadoras de telefonia móvel do Brasil já haviam disponibilizado a mesma ferramenta ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. As operadoras desenvolverão ainda aplicativos e casos de uso para auxiliar os órgãos públicos no mapeamento da evolução da epidemia do novo coronavírus.

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções