Diário da Manhã

sexta, 15 de fevereiro de 2019

Notícias

FESTIVAL SESC DE MÚSICA : Presidente da Fecomércio confirma 10ª edição em Pelotas

FESTIVAL SESC DE MÚSICA  : Presidente da Fecomércio confirma 10ª edição em Pelotas
28 janeiro
09:16 2019

Na plateia, olhares atentos e encantados, sorrisos e palmas. Nos bastidores, nervosismo, companheirismo, conversas sussurradas e despedidas. Na noite da última sexta-feira, o Largo Edmar Fetter foi palco e ponto de encontro de milhares de pessoas que acompanharam o encerramento do 9º Festival Internacional Sesc de Música de Pelotas, celebrando a cultura e a arte.

Já durante o ensaio da Orquestra Acadêmica, por volta das 14h, curiosos se aglomeravam ao redor da concha acústica montada ao lado do Mercado Central, tendo uma prévia do que aconteceria mais tarde. Às 20h30min, no entanto, o coração da cidade lotou, com o público ocupando todas as cadeiras disponíveis, os espaços de bares e restaurantes próximos, as calçadas e parte da rua Quinze de Novembro. O resto foi preenchido pela música, que invadiu o Centro Histórico.

A apresentação, com regência do maestro Evandro Matté, foi dividida em dois momentos: primeiro a música erudita, com a execução de ‘A grande páscoa russa’ de R. Korsakov, ‘O guarani’, de Carlos Gomes e um solo do violinista chinês Yang Liu, um dos mestres que ensinaram nesta edição. Apesar dos nomes aparentemente desconhecidos do grande público, as melodias apresentadas foram bem familiares, fazendo parte da trilha sonora de filmes e séries.

No segundo momento, o grupo à capela Voice In, acompanhado da Orquestra, cantou músicas internacionais e que ganharam coro, como ‘Imagine’, ‘Mamma Mia’, ‘Somebody To Love’ e ‘Hallelujah’.

Manueli Mesquita, de 10 anos, ficou encantada com o que viu em seu primeiro Festival. Sentada próxima do palco, acompanhada da irmã mais velha, Danieli, não conseguia esconder a alegria com o que presenciava. A irmã confidenciou que, após ver a apresentação, a pequena ficou muito interessada nos violinos, apesar de ainda não tocar nenhum instrumento.

Foi esse mesmo interesse de, quem sabe desenvolver talentos, que levou a soprano Rebeca Oliveira, de Campinas, e a mezzosoprano Natália Gonçalves, de Capão do Leão, a participarem do encontro internacional. Em seu terceiro ano, a cantora do município vizinho disse que é sempre muito prazeroso poder voltar para mais uma edição e que graças ao Festival muitas portas se abriram, como a oportunidade de se apresentar junto à Ospa – Orquestra Sinfônica de Porto Alegre.

A visitante Rebeca viu como ponto mais positivo o acolhimento que recebeu dos pelotenses. “É sempre bom ver que a cidade nos recebe bem. Todos foram muito solícitos quando precisei de informações, indicando lugares para visitar e conhecer”, contou ela, que espera poder voltar nos próximos anos.

Após 12 dias de uma programação intensa, envolvendo cerca de 500 músicos – entre estudantes e professores -, e mais de 60 apresentações, em hospitais, igrejas, asilos, na cidade e no interior, o encerramento foi muito mais um ‘até breve’ do que um adeus, com a data do próximo encontro já firmada.

10ª EDIÇÃO GARANTIDA

Tanto a prefeita Paula Mascarenhas, quanto o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, comemoraram o anúncio da 10ª edição do Festival Internacional Sesc de Música, feita pelo presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn. Seguindo a programação habitual, a abertura será em 13 de janeiro de 2020, com a promessa de mais duas semanas de festa.

“É um grande espetáculo, renovado a cada ano, que já se tornou patrimônio de Pelotas. As pessoas vêm atraídas pelos melhores profissionais, entre professores e alunos”, disse a prefeita, que ainda ressaltou a importância do aspecto pedagógico, da troca de conhecimentos promovida pelo Festival.

O público, de acordo com a chefe do Executivo Municipal, é o responsável pelo espetáculo ter “fincado sua bandeira” na cidade, fazendo, ainda, girar a roda de economia, promovendo a criação de novos empregos e a geração de renda. “A Prefeitura continuará cada vez mais parceira”, enfatizou Paula.

Já o governador aproveitou para parabenizar o Sesc pelos importantes investimentos feitos na cultura do estado, com a entrega de resultados para os pelotenses e todos os gaúchos. “O discurso que todo mundo queria ouvir era o anúncio para o próximo ano”, afirmou.

Leite lembrou a importância dos aspectos social, criativo e econômico da cultura, que terá destaque durante todo seu mandato. A inovação e o fazer diferente são aquilo que atrai a sociedade, motiva e mantêm talentos, como o caso do Festival, apontou.

PROTAGONISMO DE PELOTAS

A secretária de Cultura do Rio Grande do Sul, Beatriz Araújo, e o secretário Especial de Cultura do Governo Federal, Henrique Pires, também prestigiaram o encerramento do festival. Ambos pelotenses, eles aproveitaram para ressaltar os projetos em suas gestões que deverão envolver a terra natal, mostrando o protagonismo do município na área.

A Secretaria Estadual de Cultura foi resgatada no início do novo mandato o que, conforme Beatriz, já denota a atenção especial que as atividades de promoção cultural terão no governo gaúcho. Ela também adiantou que algumas ações desenvolvidas em Pelotas servirão de modelo nesse sentido.

Governador Eduardo Leite esteve presente no encerramento do Festival

Governador Eduardo Leite esteve presente no encerramento do Festival

“Vai ser um momento de reconhecimento do trabalho que vem sendo feito aqui há alguns anos. Uma das ações que vamos reproduzir é o Dia do Patrimônio, que é esta festa cívica tão bonita e coroada de êxitos desde o primeiro momento. A outra parte é em relação aos editais que vamos disponibilizar, dando atenção especial a pessoas que normalmente não tem acesso a recursos públicos por conta de alguma limitação ou dificuldade de lidar com toda a burocracia”, explicou a secretária.

A ideia principal é a descentralização dos investimentos, com enfoque maior nos pequenos municípios e na população menos assistida. A parceria com as prefeituras e o Sistema S integra esse objetivo, a exemplo do Festival Internacional Sesc de Música, que atende uma demanda da cidade. “A continuidade do Festival em Pelotas se deve muito à acolhida desde a primeira edição, porque no início ele seria itinerante. A cidade realmente mostrou que tem uma vocação para apreciar e receber, não somente para produzir arte, além de público extremamente caloroso e presente em todas as atividades”, lembrou Beatriz.

O público que comparece e prestigia a arte foi elogiado por Henrique Pires, que espera, para 2020, um maior envolvimento da União no Festival, evento consolidado como um dos mais importantes do país, e em outras manifestações culturais. A intenção é de que para a próxima edição, com apoio Federal, seja possível trazer uma orquestra nacional a Pelotas.

Outra frente de atuação no município, e na Zona Sul, deverá ser sobre o patrimônio arquitetônico. Conforme o secretário, em conversa com a prefeita Paula e o governador, foi discutida a continuidade do PAC Cidades Históricas, o repasse de verbas para as obras do Theatro Sete de Abril e do Grande Hotel, e a intervenção no Obelisco, bem como a valorização do CEU Dunas.

ENCERRAMENTO da 9ª edição levou milhares de pessoas ao Largo do Mercado Central

ENCERRAMENTO da 9ª edição levou milhares de pessoas ao Largo do Mercado Central

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções