Diário da Manhã

terça, 25 de junho de 2019

Notícias

 Mais recentes

População de idosos irá duplicar em quatro décadas no Rio Grande do Sul

População de idosos irá duplicar em quatro décadas no Rio Grande do Sul
20 maio
09:16 2019

A população de idosos do Rio Grande do Sul irá mais do que duplicar no período de quatro décadas. Em 2060, a proporção de pessoas com idade acima dos 65 anos saltará dos atuais 12,7% para 29%, em um processo de envelhecimento provocado por fatores como a baixa fecundidade, migrações de jovens para outros Estados e expectativa de vida acima da média nacional.

Esse cenário fica mais evidente quando é estimado o recuo da faixa etária de zero a 14 anos. Em 2019, representa 18,3% da população do RS, caindo para 14% em quatro décadas. No país, essa redução também é acentuada: de 21,1% para 14,7% dos brasileiros. Com isso, a população considerada potencialmente ativa (entre 15 e 64 anos) sofrerá queda acentuada na projeção para 2060, ficando em 57%. Atualmente, a proporção é de 69%.

Esses números integram um estudo divulgado pela Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag) sobre o cenário demográfico do RS e do Brasil, que aponta para importantes desafios ao longo dos próximos 40 anos. “A sociedade gaúcha precisa olhar para a realidade demográfica e se preparar para os desafios que não serão apenas do governo”, destaca a secretária Leany Lemos.

Projeção indica queda na população potencialmente ativa (15 a 64 anos): será 57% em 2060, enquanto hoje está em 69%

Projeção indica queda na população potencialmente ativa (15 a 64 anos): será 57% em 2060, enquanto hoje está em 69%

Para a titular da Seplag, os desafios vão além da atenção à população idosa, como serviços de saúde e assistência social, assim como os reflexos na questão previdenciária. “Faltará mão de obra. O Rio Grande do Sul precisará atrair pessoas”, resume Leany diante da necessidade de o Estado reverter uma curva negativa em termos de fluxo migratório.

População apta para trabalhar

O alerta da secretária fica mais evidente quando o estudo elaborado pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), a partir do trabalho do estatístico Pedro Zuanazzi e do economista Bruno Paim, identifica o que se denomina de Razão Dependência dos Idosos, quando é medida a proporção de pessoas de mais de 65 anos com a população entre 15 e 64 anos, refletindo o quanto o primeiro grupo depende economicamente da população apta a trabalhar.

“Como consequência de ter uma população mais envelhecida que o agregado nacional, o Rio Grande do Sul chegaria, em 2060, com um idoso para cada duas pessoas em idade potencialmente ativa. A razão atual no Estado, de 18,4%, só será alcançada no Brasil em meados de 2028”, indica a nota técnica assinada pelos pesquisadores.

Para a secretária, é preciso que o Estado tenha uma visão estratégica para reter talentos e, em especial, para receber novos investimentos. “Mas para isso, nossos ecossistemas precisam ser mais atrativos”, recomenda.

Responsável por conduzir o processo de elaboração do Plano Plurianual (PPA), que apontará as prioridades do Executivo e dos demais poderes para o período de 2020 a 2023, a secretaria vem demandando uma série de estudos junto ao DEE. “Precisamos de um diagnóstico preciso. Quanto mais informação, melhores serão as condições para a tomada de decisão do que é prioritário para recolocar o Rio Grande do Sul no caminho do crescimento”, acrescenta Leany.

Menos nascimentos

O estudo sobre cenário demográfico aborda também outro indicador com forte impacto nas projeções: a Taxa de Fecundidade. Pelas estimativas do estudo, a partir de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os gaúchos têm uma das menores taxas do país, estando atrás apenas de Minas Gerais, Rio Grande do Norte e Distrito Federal.

Por conta desse cenário, aliado aos demais fatores analisados na pesquisa, o RS acabou esgotando o bônus demográfico (caracterizado como o período no qual a Razão de Dependência total é decrescente), quatro anos antes do que registrado em nível nacional. No Brasil, a Taxa de Fecundidade está abaixo do patamar de reposição desde 2005.

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções