Diário da Manhã

sábado, 15 de junho de 2019

Notícias

Projeto Escola Mais Verde transforma educandários infantis de Pelotas

Projeto Escola Mais Verde transforma educandários infantis de Pelotas
27 dezembro
09:24 2018

Em Pelotas, as Escolas Municipais de Educação Infantil (Emeis), de diversas regiões, vêm sendo transformadas com obras de reforma e ampliação.

Algumas foram refeitas desde início e duas foram inauguradas – a Bernardo de Souza e a Mário Osório Magalhães, o que aumentou o quadro de vagas da educação infantil e requalificou o dia a dia de crianças e profissionais nos educandários.

Além das melhorias na infraestrutura dos locais, um setor da Secretaria de Educação e Desporto ficou responsável por preencher com cores, paisagens e detalhes que encantam e mudam a realidade dos espaços escolares. Através dos projetos ‘Escola Mais Verde’ e ‘Todos pela Escola’, do setor de Saúde Pública Escolar, as Emeis ganham vida com a implementação de hortas orgânicas, jardins arborizados, pomares e pinturas temáticas coloridas na parte interna e externa das escolas.

Setor de Saúde Pública Escolar também é responsável por desratizações, limpezas de caixas d´águas, desinsetizações, tratamento de água da zona rural e roçado nas escolas

Setor de Saúde Pública Escolar também é responsável por desratizações, limpezas de caixas d´águas, desinsetizações, tratamento de água da zona rural e roçado nas escolas

O ‘Escola Mais Verde’ já contemplou 44 escolas de Pelotas, incentivando o cultivo de produtos saudáveis, de boa qualidade nutricional e sanitária, e visando o enriquecimento da merenda escolar. Responsável pelo setor, o biólogo William Azario explica que o projeto permite mostrar que, com a participação de todos, pode-se melhorar o meio ambiente e a qualidade da alimentação nos educandários de educação infantil e ensino fundamental.

DANDO VIDA ÀS ESCOLAS

As paredes coloridas, repletas de desenhos, ajudam a compor o novo cenário das escolas, Tons de azul, verde, rosa e dezenas de cores que alegram a rotina da comunidade escolar e tornam lúdica a aprendizagem de milhares de crianças. O projeto ‘Todos Pela Escola’ busca integrar todos do ambiente escolar, envolvendo professores, alunos e funcionários no cuidado e manutenção dos locais.

Reciclar e reutilizar são palavras-chave para a realização da iniciativa, que transforma pneus, pallets, madeiras, latas de tinta e, até mesmo, canos hidráulicos, em objetos decorativos e temáticos. Bens escolares em boas condições também são revitalizados pelo setor, que mantém um ateliê na Smed específico para o trabalho. Lá, entram os materiais antigos e, aparentemente, sem função, e saem prontos para integrar o cotidiano das escolas. Vinte e uma escolas contam com o projeto.

SERVIÇOS ESSENCIAIS

O setor também é responsável por executar diversos serviços essenciais para a manutenção das instituições. Somente em 2018, foram realizadas 952 desratizações, 155 limpezas de caixas d´água, 228 tratamentos de água na zona rural, 126 roçados em escolas da zona urbana, 122 desinsetizações, 12 retiradas de camotins, além de ações de descupinização, desmorcegação e controle de pombos.

Trinta supressões e seis podas de árvores em escolas da rede municipal também foram efetuadas em 2018. Oito escolas – sete da zona rural e uma da urbana – também contam com um repelente ultrassônico contra morcegos, ratos e camundongos.

Projeto Escola Mais VerdeDISSEMINANDO CONHECIMENTO

Outro projeto paralelo consiste na realização de palestras nas escolas municipais, apresentando em torno de 50 temas variados pertinentes à educação, entre eles, tráfico de animais, bioética, reciclagem de lixo, espécies peçonhentas e tratamento dos animais domésticos. As exposições do ‘Conhecer’ são ministradas pelo biólogo William Azario que, utilizando uma abordagem diferenciada e dinâmica, leva conhecimento e informação a milhares de estudantes da zona urbana e rural.

Com o objetivo de conscientizar a população a respeito de animais peçonhentos, outra iniciativa itinerante do setor leva até as escolas diversas espécies para crianças e jovens interagirem. O biólogo salienta a importância deste público conhecer as características comportamentais e biológicas para que evitem acidentes, tanto pequenos quanto fatais. Cobras, aranhas e lagartos são alguns dos animais levados por Azario às instituições – que facilita a observação direta e, consequentemente, a identificação destes seres.

“A ideia é conscientizar estes alunos, buscando evitar o desrespeito e a ação predatória do homem contra estas espécies. Além disso, a preservação e conservação destes animais é de suma importância ecológica na cadeia alimentar e no controle biológico de espécies nocivas”, apontou.

ÁGUA DE QUALIDADE

Trinta e uma escolas da rede – entre elas, todas as de educação infantil – contam com a instalação de filtros de água potável, que visa garantir a qualidade da água nos educandários, a fim de que ela esteja isenta de poluição, como partículas de areia, o que reduz o gosto e cheiro de cloro para consumo, produção de sucos e limpeza de verduras e frutas. Além disso, todas as escolas da zona rural recebem o tratamento da água de poços e cacimbas.

Um estudo, em parceria com a Universidade Federal de Pelotas (UFPel), também é realizado em todas as Emeis e 39 escolas de ensino fundamental, com a finalidade de analisar a areia contida nas praças de recreação. A pesquisa deve subsidiar estratégias para melhorar a qualidade do material nos espaços escolares. Outra parceria com a Universidade é voltada à detecção e controle de dioctofimose canina (conhecido, popularmente, como verme gigante do rim) em escolas da praia.

O parasita, responsável por comprometer o sistema renal dos animais, chega a medir 1 metro de comprimento, quando fêmea. Azario recorda que o verme também já foi encontrado em seres humanos, por isso a importância de prevenir, distribuindo material informativo e conversando com a comunidade

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções