Diário da Manhã

sábado, 17 de novembro de 2018

Notícias

 Mais recentes

Projeto pretende garantir vagas para apenados em contratos da prefeitura

Projeto pretende garantir vagas para  apenados em contratos da prefeitura
05 novembro
08:53 2018

Ao determinar que as empresas terceirizadas contratadas pela Prefeitura de Pelotas reservem um percentual das vagas para presos dos regimes semiaberto e aberto o Projeto de Lei Ordinária (PLO) nº 6545/2018 pretende aumentar as chances de apenados voltarem a se inserir na comunidade e não reincidir no crime após o cumprimento das penas.

O texto da proposta prevê a reserva de 10% das vagas para condenados em todos os contratos de serviços assinados com o município. Para ser beneficiado o interessado terá que comprovar aptidão técnica para a função, disciplina e responsabilidade. No caso de não haver interessados com qualificação profissional necessária para as vagas, as empresas ficam desobrigadas a contratar apenados.

Ao determinar que as empresas terceirizadas contratadas pela Prefeitura de Pelotas reservem um percentual das vagas para presos dos regimes semiaberto e aberto o Projeto de Lei Ordinária (PLO) nº 6545/2018 pretende aumentar as chances de apenados voltarem a se inserir na comunidade e não reincidir no crime após o cumprimento das penas.                    O texto da proposta prevê a reserva de 10% das vagas para condenados em todos os contratos de serviços assinados com o município. Para ser beneficiado o interessado terá que comprovar aptidão técnica para a função, disciplina e responsabilidade. No caso de não haver interessados com qualificação profissional necessária para as vagas, as empresas ficam desobrigadas a contratar apenados.                    O autor da proposta, vereador Marcos Ferreira, o Marcola (PT) justifica a importância da ideia a partir da melhora da segurança pública com a reinserção de apenados no mercado de trabalho. “Pessoas condenadas enfrentam grandes dificuldades para conseguir uma vaga formal de trabalho o que acaba tornando muito mais difícil sua reinserção na comunidade e, em consequência, aumenta a chance dessas pessoas voltarem ao crime para garantir o sustento de sua família”, comenta.                    Para Marcola, o município incentivará a redução da violência urbana a partir do momento em que puder garantir que parte dos presos trabalhem honestamente enquanto cumprem suas penas e tenham oportunidade de permanecer no serviço após o término das sentenças. “O resultado disso é positivo para toda a comunidade: o preso pode realmente abandonar a vida criminosa, as famílias dos apenados não ficam desamparadas, a economia aquece com mais dinheiro circulando e, os índices de reincidência ao crime diminuem”, diz.        TRÂMITE – O projeto está em fase de discussão preliminar na Câmara Municipal, sendo analisado na Unidade de Apoio Legislativo. A previsão é de que nas próximas semanas seja distribuído para as comissões competentes e até dezembro seja apreciado no plenário. VEREADOR Marcola é autor da proposta


VEREADOR Marcola é autor da proposta

O autor da proposta, vereador Marcos Ferreira, o Marcola (PT) justifica a importância da ideia a partir da melhora da segurança pública com a reinserção de apenados no mercado de trabalho. “Pessoas condenadas enfrentam grandes dificuldades para conseguir uma vaga formal de trabalho o que acaba tornando muito mais difícil sua reinserção na comunidade e, em consequência, aumenta a chance dessas pessoas voltarem ao crime para garantir o sustento de sua família”, comenta.

Para Marcola, o município incentivará a redução da violência urbana a partir do momento em que puder garantir que parte dos presos trabalhem honestamente enquanto cumprem suas penas e tenham oportunidade de permanecer no serviço após o término das sentenças. “O resultado disso é positivo para toda a comunidade: o preso pode realmente abandonar a vida criminosa, as famílias dos apenados não ficam desamparadas, a economia aquece com mais dinheiro circulando e, os índices de reincidência ao crime diminuem”, diz.

       TRÂMITE – O projeto está em fase de discussão preliminar na Câmara Municipal, sendo analisado na Unidade de Apoio Legislativo. A previsão é de que nas próximas semanas seja distribuído para as comissões competentes e até dezembro seja apreciado no plenário.

Comentários ()

Seções