Diário da Manhã

quinta, 01 de outubro de 2020

Notícias

Transplante de medula óssea estabiliza quadro clínico de paciente com esclerose múltipla

Transplante de medula óssea estabiliza quadro clínico de paciente com esclerose múltipla
31 agosto
08:44 2020

Procedimento realizado no Hospital Moinhos de Vento é inédito no estado para esse tipo de tratamento e conseguiu barrar avanço da doença

 Uma solução pouco comum, e com indicações para casos e doenças bem específicas, conseguiu controlar a atividade da esclerose múltipla numa paciente que não respondeu a todas as medicações disponíveis. Ingret Silva Lanzoni, hoje com 39 anos, convivia com internações frequentes, e seu grau de incapacitação progredia rapidamente. Lesões provocadas pela doença autoimune causavam grave comprometimento de algumas funções. A alternativa foi a indicação de um transplante de células tronco hematopoiéticas, que foi realizado no Hospital Moinhos de Vento.

A coordenadora da Unidade de Internação Onco-Hematológica do Hospital, Claudia Caceres Astigarraga, ressalta que o transplante, nesses casos, é uma tentativa de “reinicializar” o sistema imunológico. “Coletamos as células tronco e congelamos. Por alguns dias, a quimioterapia e a imunoterapia são realizadas e depois inserimos novamente as células no paciente e aguardamos elas começarem a funcionar, o que é chamado de pega do transplante. O total da internação se estende, em média, por trinta dias”, explica a hematologista.

“As pessoas acham que transplante de células tronco, ou transplante de medula óssea como é mais conhecido, é realizado somente para casos de leucemia, de câncer. Mas uma série de doenças autoimunes, reumatológicas e neurológicas podem ser estabilizadas com esse procedimento, que temos disponível aqui no Hospital Moinhos de Vento”, completa.

 Procedimento inédito no RS

O procedimento foi realizado de forma inédita no Rio Grande do Sul, em dezembro de 2019, com o objetivo de tratar a esclerose múltipla. Segundo Maria Cecilia Aragon de Vecino, coordenadora do Núcleo de Esclerose Múltipla e Doenças Desmielinizantes do Hospital Moinhos de Vento, depois de seis meses, a equipe considera que o transplante foi um sucesso. “Pela primeira vez em muitos anos a paciente está estável e sem sinais clínicos ou radiológicos de atividade da doença. Essa é uma vitória muito importante pois ela é jovem, estava numa situação grave com doença extremamente ativa e incapacitante, e as terapias, inclusive as de alta potência, não davam resposta”, pontua a neurologista.

Ingret foi diagnosticada com esclerose múltipla aos 27 anos. Foram 11 anos em busca de um tratamento que estabilizasse a doença. Ela conta que com o tempo ficou difícil caminhar, mas nunca sentiu dor. No Hospital Moinhos de Vento, teve acesso ao que a medicina oferece de mais moderno em terapias para a enfermidade. E foi aí que surgiu a possibilidade de se submeter ao procedimento experimental. “Tomei todos os medicamentos indicados até a última possibilidade, que era o transplante. Agora me sinto bem, não tive mais surtos ou lesões novas. Se alguém, na minha condição, tiver a oportunidade de fazer mais cedo, eu indico”, avalia a paciente.

Ela está retomando a autonomia para algumas atividades. Também não necessitou mais de internação hospitalar, algo que era recorrente neste caso. A médica pondera, no entanto, que é um tratamento indicado para casos específicos, para evitar a progressão da doença e melhorar a qualidade de vida. “Até o ano passado, esse era um procedimento experimental. Antes esgotamos todas as possibilidades terapêuticas convencionais e inovadoras”, destaca.

Agosto Laranja

Em 2006, foi instituído o Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla, em 30 de agosto. Por isso, o Agosto Laranja é uma campanha para conscientizar os brasileiros sobre a doença e suas formas de controle, além de dar mais visibilidade aos seus impactos na vida das pessoas.

A esclerose múltipla é uma doença neurodegenerativa autoimune e crônica que faz com que células de defesa do organismo ataquem o próprio sistema nervoso central, provocando lesões cerebrais e medulares. No Brasil, 40 mil pessoas foram diagnosticadas com o mal, que afeta jovens adultos com idades entre os 20 e os 40 anos, especialmente mulheres.

Segundo Maria Cecilia, a data é uma forma de fazer as pessoas refletirem. Apesar de incurável, a doença possui tratamentos eficazes no controle de sequelas e para a qualidade de vida do paciente – desde que o diagnóstico ocorra cedo. “No Hospital Moinhos de Vento dispomos de tudo o que há de mais moderno para o tratamento da esclerose múltipla. Também investimos em pesquisa, e agora, no Agosto Laranja, é uma oportunidade de mostrar resultados e de chamar a comunidade de pacientes para que procurem se envolver no assunto, buscando profissionais e trabalhos sérios e responsáveis”, afirma a neurologista. Ela cita a vitória no caso da paciente transplantada como um exemplo de esperança para os demais pacientes.

TMO no Hospital Moinhos

O primeiro transplante de medula óssea realizado na instituição foi em 2015. Até 2018, eram transplantes dos tipos aparentado (células-tronco de familiares) e autólogo (células próprias). No mesmo ano foi acrescido o pediátrico e em 2019 o não-aparentado, quando as células tronco utilizadas são de doador não familiar.

Até hoje, já foram realizados 137 transplantes do tipo no hospital. Pela primeira vez o procedimento é utilizado no tratamento da esclerose múltipla. Geralmente pacientes com essa indicação são encaminhados para São Paulo.

Desde 2017, por meio de um acordo de cooperação técnica, o Hospital Moinhos de Vento disponibiliza leitos no Centro de Hematologia para receber os candidatos ao procedimento listados no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Os pacientes são direcionados para o Moinhos, conforme a disponibilidade. No centésimo dia após a infusão das células, o acompanhamento tem seguimento no Clínicas.

 

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções