Diário da Manhã

segunda, 22 de outubro de 2018

Notícias

Visita ao recém-nascido precisa ser feita com cautela e bom senso

Visita ao recém-nascido precisa ser feita com cautela e bom senso
06 março
15:42 2018

Pediatra alerta que o ideal é evitar aglomerações antes dos dois meses de vida

Quando nasce um bebê, é normal que muitos parentes e amigos queiram realizar uma visita cortesia para conhecer o novo integrante da família. A neonatologista da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS), Clarissa Carvalho, lembra que alguns cuidados precisam ser respeitados. Além disso, destaca que o ideal é que os pais evitem aglomerações antes dos sessenta dias de vida da criança.

- Não existe um consenso formal de quando deve ocorrer o primeiro passeio, até porque o bebê irá até seu pediatra na primeira semana de vida para verificação do peso e elucidação das dúvidas que surgem com a ida para casa. Seria bom senso evitar aglomerações, shoppings, lugares com muitas pessoas até que a criança complete dois meses, pois é quando o bebê começa a receber as vacinas, lembrando que algumas vacinas são dadas ainda na maternidade – salienta Clarissa Carvalho.

Já os prematuros, de acordo com a neonatologista, necessitam de ainda mais paciência dos visitantes. A transferência de anticorpos da mãe para o feto, pela placenta, ocorre nos últimos três meses de gestação. Assim, dependendo do grau de prematuridade, esse bebê terá recebido quase nada de anticorpos, sendo razoável adiar as visitas ao máximo.

Para quem não aguenta esperar para conhecer o recém-nascido, a pediatra alerta que o importante é evitar frequentar a residência da família que apresentar sintomas virais, mesmo que seja apenas “uma rinite”. Ao chegar, lavar bem as mãos, podendo ou não passar o álcool gel. O essencial é lavar as mãos. Para quem estiver com a criança no colo, a médica lembra que o indicado é evitar dar beijos no recém-nascido.

- Fumantes não deveriam pegar bebês pequenos no colo, mesmo que o fumante argumente que fumou na rua e lavou bem as mãos. Os compostos irritogênicos do cigarro ficam impregnados na roupa do visitante e no hálito. Sabemos que o cigarro está bastante associado a ocorrência de bronquiolite, e esta associação aumenta quando o bebê é novinho ou quando é prematuro – ressalta.

Outro conselho da pediatra é respeitar os momentos mãe-bebê e colocar-se à disposição para ajudar a nova mãe, como buscar água para ela, ajudar em uma refeição ou com alguma tarefa da casa. Deixar que o colo seja dado pela mãe; que ela não precise se preocupar em receber as pessoas e sim se sentir confortável nesse novo papel.

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções