Diário da Manhã

domingo, 22 de outubro de 2017

Notícias

METALÚRGICOS PEDEM SOCORRO : Assembleia cria Frente Parlamentar em Defesa do Polo Naval de Rio Grande

20 abril
08:46 2017

A Assembleia Legislativa instalou, terça-feira, a Frente Parlamentar em Defesa do Polo Naval de Rio Grande, que será presidida pelo deputado Nelsinho Metalúrgico (PT). A iniciativa, que reúne deputados de diversos partidos, tem o propósito de sensibilizar os governos estadual e federal para frear o desmonte da indústria naval.

“A frente parlamentar é o instrumento político que dispomos para potencializar as ações em defesa da política naval brasileira, que já teve momentos de excelência e agora passa por grandes dificuldades”, afirmou o presidente do Parlamento gaúcho, Edegar Pretto (PT) na abertura da cerimônia.

A INICIATIVA reúne deputados estaduais de diversos partidos em defesa do Povo Naval

A INICIATIVA reúne deputados estaduais de diversos partidos em defesa do Povo Naval

Depois de investir mais de R$ 15 bilhões e gerar 24 mil empregos diretos, o Polo Naval de Rio Grande corre o risco de desaparecer. Só em 2016, quatro mil trabalhadores foram demitidos com a transferência da construção da plataforma P-58 para o Espírito Santo. Hoje, o Polo opera com apenas três mil trabalhadores. E as perspectivas apontam para a demissão de mais 1800, caso a Petrobras não firme novos contratos para a Plataforma P-54, que está em fase de finalização. O alerta foi feito pelo deputado Nelsinho Metalúrgico, que prometeu trabalhar para unificar os deputados estaduais, federais e senadores gaúchos, independente de siglas partidárias, em torno da defesa da indústria naval.

Sem êxito, até agora, na missão de garantir o apoio do governo do Estado para a causa, Nelsinho classificou o silêncio do Executivo de constrangedor. “Chega a ser constrangedor o silêncio do governo do Estado sobre este quadro desastroso para todo o Rio Grande do Sul”, declarou, ressaltando, no entanto, que é preciso buscar a parceria do governo Sartori para “demover a Petrobras da ideia insana de acabar com a indústria naval”.

PEDIDO DE SOCORRO
O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Rio Grande, Benito Gonçalves, disse que os trabalhadores estão “pedindo socorro à Assembleia Legislativa”. “A direção da Petrobras está praticando um crime lesa-pátria. Não há economia que explique o fato de deixar plataformas em fase de finalização e com todo o material disponível paralisadas aqui e licitar no exterior por um valor três vezes maior”, denunciou.

O vice-reitor da Fundação Universidade Federal de Rio Grande (FURG), Danilo Giroldo, afirmou que o Polo Naval transformou a realidade socioeconômica da região. “A região se estruturou para receber a indústria naval, que é estratégica, pois gera empregos, possuiu alto conteúdo tecnológico e é imprescindível para a soberania nacional”, pontuou.

Já o prefeito de Rio Grande Alexandre Lindenmeyer argumentou que o Polo Naval garantiu um crescimento de 12% ao ano na região, quadruplicou a arrecadação e duplicou a renda. Lembrou que, para cada emprego direto, foram gerados de quatro a cinco indiretos na cadeia produtiva.

Para ele, “o cavalinho de pau” que o governo está dando na política industrial brasileira lançará os estaleiros no limbo. “É inadmissível abandonar estruturas prontas, ativos consolidados, equipamentos de última geração e mão de obra qualificada. O Brasil pode mais do que exportar commodities. Pode ter uma política industrial própria”, defendeu.

Lindenmeyer revelou ainda que, embora trabalhe para desativar o Polo, a direção da Petrobras deverá licitar, até 2021, 19 novas plataformas.

Participaram do lançamento da Frente Parlamentar, os deputados Adão Villaverde (PT), Catarina Paladini (PSB), Tarcísio Zimmermann (PT), Jeferson Fernandes (PT), Pedro Ruas (PSOL), Stela Farias (PT), Zé Nunes (PT), Valdeci Oliveira (PT), Luiz Fernando Mainardi(PT) e o deputado federal Marco Maia (PT). Também acompanharam a instalação da Frente representantes da CUT, Sindicato dos Petroleiros, Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-sal, Federação dos Metalúrgicos e uma comitiva de trabalhadores do Polo Naval de Rio Grande.

Notícias Relacionadas

Comentários ()