Diário da Manhã

sábado, 24 de fevereiro de 2024

Notícias

A tecnologia financeira e a educação ajudaram a impulsionar os mercados de capitais brasileiros

A tecnologia financeira e a educação ajudaram a impulsionar os mercados de capitais brasileiros
20 outubro
13:04 2023

O mercado de capitais brasileiro avançou consideravelmente nos últimos cinco anos

Um setor em particular está demonstrando um crescimento tremendo – o estoque combinado de títulos imobiliários como LIG, LCI e CRI cresceu de R$200 bilhões para R$600 bilhões em poucos anos, e o número de investidores imobiliários cresceu de 200.000 em 2021 para um surpreendente dois milhões hoje.

Uma combinação perfeita de eventos financeiros impulsionou tudo isso: um crescimento de 1,9% no PIB trimestral, uma taxa decrescente de desemprego de oito anos, uma barreira de entrada mais baixa para a educação financeira autodidata, e, o mais crucial, duas reduções nas taxas de juros em um único ano, de 13,25% em agosto para 12,75% em setembro, lideradas pela administração Lula da Silva.

Parece que o ousado quadro fiscal do presidente está melhorando a perspectiva dos investidores – o índice de confiança comercial ICEC-RS aumentou 3% em setembro – mas a nova ala legislativa não é a única a agradecer aqui. Antes de 2021, o número de novos investidores de varejo já havia aumentado 37,6% para quase 3,7 milhões de pessoas, graças às taxas de juros igualmente reduzidas. Com uma educação financeira aprimorada e a crescente ubiquidade da tecnologia financeira, os não correntistas bancários começaram a abraçar a gestão de dinheiro digital – e os mais tecnicamente experientes encontraram uma porta de entrada para os mercados financeiros que impulsionam a economia. Eis como as fintechs aceleraram o crescimento do investimento de varejo no maior país da América do Sul.

Fintech

Há treze anos, apenas 110 milhões de brasileiros tinham acesso a serviços bancários, mas esse número saltou para 185 milhões até 2022. Atualmente, o país tem 143,4 milhões de usuários de smartphones, incluindo 85% da Geração Z e dos Millennials – as gerações mais propensas a abraçar a tecnologia financeira. O que contribuiu para essa mudança? Até novembro de 2020, os sistemas de pagamento antiquados dos bancos tradicionais dominavam o país, quando o Banco Central do Brasil lançou o sistema de pagamento instantâneo PIX. Isso permitiu aos consumidores facilitar transferências de dinheiro instantâneas. O PIX foi adotado por 139 milhões de usuários em menos de dois anos e se tornou o método de pagamento mais utilizado em 2022.

Essa crescente familiaridade com o uso de dispositivos digitais para lidar com dinheiro levou mais brasileiros a explorar ainda mais o mundo das fintechs, desta vez para fazer crescer sua riqueza. A tecnologia amigável ao usuário tornou mais fácil para eles acessar e participar dos mercados. A plataforma trader permite que os usuários negociem em diversos mercados, das maiores empresas do mercado de ações internacionais a commodities como petróleo e gás natural. Os brasileiros em movimento podem configurar suas contas em três minutos e começar a negociar imediatamente, com execução rápida e confiável em uma plataforma estável. Para aqueles que desejam lucrar com seus investimentos, os saques podem ser feitos em segundos, sem processamento manual, mesmo nos finais de semana.

À medida que a penetração das fintechs continua a crescer, mais capital circulará nos mercados em vez de ficar estagnado em contas de poupança de baixo rendimento, o que pode impulsionar os objetivos econômicos do Brasil.

Educação financeira

O total de crédito concedido por empresas de fintechs no Brasil disparou para R$55 bilhões em 2021, um crescimento tremendo de 1.045% desde 2016. Embora a educação financeira tenha ajudado a melhorar a economia do Brasil, ainda há muito a fazer, já que apenas 35% da população é estimada como financeiramente instruída. O governo está tomando medidas para fornecer recursos educacionais para a base de consumidores das fintechs, minimizando a intimidação que pode ocorrer ao gerenciar o dinheiro e permitindo que os brasileiros controlem totalmente suas finanças. Por exemplo, o Ministério da Educação liderou o Programa de Educação Financeira para educar os cidadãos mais jovens do país sobre o dinheiro antes mesmo de entrar em contato com ele, usando jogos para crianças pequenas e estudos de caso práticos para estudantes do ensino médio.

Por sua vez, a Comissão de Valores Mobiliários do Brasil (CVM) criou iniciativas como a Semana de Investimento, na qual os participantes se reúnem para palestras e discussões destinadas a brasileiros com diferentes níveis de experiência financeira. Os participantes tiveram acesso a muitos líderes de pensamento e especialistas que lançaram luz sobre diversos produtos financeiros. Aqueles que não puderam comparecer fisicamente a tais eventos ainda podem melhorar seu conhecimento financeiro com a ampla gama de cursos online da CVM. Bancos privados e instituições também criaram plataformas educacionais gratuitas com aprendizados que podem ser aplicados de forma universal, não apenas por meio de seus serviços.

Com os setores público e privado trabalhando juntos para melhorar as finanças pessoais dos brasileiros, os efeitos multiplicadores serão vistos em maior escala em um futuro próximo, à medida que eles se tornarem confiantes o suficiente para contribuir para a economia brasileira como um todo.

Para mais notícias sobre a economia e o país, confira o restante do nosso site.

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções