Diário da Manhã

terça, 05 de dezembro de 2023

Notícias

Antiga residência do Senador Augusto Assumpção vai à leilão

Antiga residência do Senador Augusto Assumpção vai à leilão
20 outubro
20:13 2023

Imóvel, avaliado em mais de R$ 2 milhões, faz parte do Patrimônio tombado do Centro Histórico de Pelotas

Vai ser oferecido em leilão o casarão histórico que pertenceu ao Senador Augusto Assumpção, localizado na rua Félix da Cunha, esquina com a Praça Cel. Pedro Osório. O imóvel foi adquirido pela Fundação Simon Bolívar em agosto de 2007. A entidade era a mantenedora da Universidade Federal de Pelotas e está em processo de extinção.

O Ministério Público Estadual moveu ação contra a Fundação Simon Bolívar (Processo nº 5000601-97.2017.8.21.0022). Em sentença proferida pela Juíza da 5ª Vara Cível de Pelotas Dra. Rita de Cássia Muller, foi autorizada a venda em leilão. Avaliado em R$ 2.102.095,54, o primeiro leilão será no dia 30 de outubro.

Se não houver interessados, um segundo leilão tentará repassar o imóvel, dessa vez por 50% do valor da avaliação, cerca de R$ 1.051.047,77, no dia 13 de novembro de 2023, às 14h, exclusivamente pelo site da Leiloeira Andressa Sedrez Terres Tonial Ferreira (www.tonialleiloes.com.br)

HISTÓRIA

Interior do imóvel com paredes em escariola

A casa do Senador Augusto Assumpção é uma referência direta do processo de estruturação urbana da cidade de Pelotas. O valor histórico do edifício está diretamente vinculado ao seu proprietário, ligado à vida política e econômica do período de implantação da República no Brasil. A evolução do edifício, que se alterou na medida em que a vida e as condições da família Assumpção também foram alteradas, testemunham a forma de viver local, o apogeu econômico do Estado naquela região, a importação de um padrão europeu de vida e a estreita relação desta com o centro do país e o exterior. O requinte externo e interno do edifício o qualificam como um exemplar arquitetônico digno de proteção legal. A riqueza e a qualidade de acabamento de peças, como esquadrias, revestimentos, forros e escaiolas, qualificaram o espaço residencial original e testemunham o fazer arquitetônico daquele período histórico.

O Sobrado da família Assumpção, segundo depoimentos dos descendentes coletados pela Arq. Ester Gutierrez, foi construído entre 1884 e 1889. Em 1894 foi listado no espólio da Baronesa do Jarau, mãe do Senador Joaquim Assumpção, herdeiro do imóvel. A família ali residiu no período compreendido entre os últimos vinte anos do século XIX até 2005, quando os descendentes venderam a propriedade ao Banco Santander. Atualmente o imóvel está vazio, tendo sido ocupado pela última vez pela Fundação Simon Bolivar e outros departamentos da Universidade Federal de Pelotas.

A casa está localizada na área urbana da cidade, com área construída de 1071,35m², em esquina. Foi construída no alinhamento predial e possui três pavimentos: porão, térreo e segundo pavimento. A planta tem a forma de “U”, tangenciado por uma circulação que dá acesso aos diferentes espaços. Os pisos são em cimento alisado, madeira ou cerâmica, e o forro em madeira e estuque. As alvenarias internas são revestidas com escaiolas imitando mármore.

No térreo ficava a área social e íntima da residência. O acesso principal ao vestíbulo é pela rua Félix da Cunha, e o acesso secundário é feito pela rua Lobo da Costa.

O fachadismo é uma referência marcante da época. As fachadas são simétricas, possuindo frontões adornado com motivos florais. Cada vão é definido por pilastras laterais com capitéis clássicos. O porão alto é marcado por soco ornamentado e óculos elípticos com gradis de ferro. Na fachada oeste, a simetria é quebrada pelo acesso principal no canto e a direita. As fachadas internas são nitidamente caracterizadas como secundárias e não possuem elementos decorativos significativos. A cobertura é em telha de barro do tipo capa-e-canal com estrutura em madeira. O telhado é de quatro águas, acompanhando a planta em “U”. O volume maior corresponde ao corpo principal da residência e o menor aos cômodos do 2° pavimento.

O tombamento do imóvel e sua inclusão no Patrimônio Histórico Estadual foi concluído em abril de 2023. (Fonte: IPHAE)

Sobre o autor

Hélio Freitag Júnior

Hélio Freitag Júnior

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções