Diário da Manhã

quarta, 24 de abril de 2024

Notícias

Boletim apresenta dados de violência contra as mulheres no Estado

Boletim apresenta dados de violência contra as mulheres no Estado
28 março
18:26 2024

Documento reúne estatísticas e recortes socioculturais para subsidiar trabalho dos profissionais da saúde

Integrando as ações do mês de março alusivas à saúde da mulher, a Secretaria Estadual da Saúde (SES) lançou nesta semana o “Boletim Epidemiológico do Estado do Rio Grande do Sul: violência contra meninas e mulheres de 10 a 59 anos”. Os dados revelam que, entre 2018 e 2022, esse público feminino representou 78% das vítimas de violências notificadas no Rio Grande do Sul.

A violência figura como um problema na agenda de saúde pública global, caracterizada como uma forma extrema de desigualdade de gênero. Para a elaboração do boletim, produzido pela equipe técnica da Divisão das Políticas dos Ciclos de Vida do Departamento de Atenção Primária e Políticas de Saúde (DAPPS), foram utilizados dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).

O documento reúne uma série de estatísticas e recortes socioculturais que buscam subsidiar o trabalho dos profissionais da saúde em todos os âmbitos da assistência do Sistema Único de Saúde (SUS). Levando em conta o contexto histórico recente, é notável a queda no número de notificações entre os anos de 2019 e 2020, o que pode estar relacionado à pandemia de covid-19 e às medidas de restrição. A redução de acesso das usuárias aos serviços de saúde interfere diretamente no resultado, uma vez que a notificação é compulsória, porém depende da iniciativa do profissional de saúde para ser inserida no Sinan.

De acordo com a taxa populacional, os mais atingidos pela violência são os indígena, demonstrando os números mais elevados em todos os anos analisados. Entre 2018 e 2021, a população negra foi a que mais sofreu violência, e em 2022 foi a população amarela que mais somou notificações de violência. Quanto à faixa etária, meninas de 10 a 14 anos representam as maiores vítimas entre as notificações realizadas no Estado durante todos os anos da série histórica analisada. Dessas, meninas e mulheres indígenas, pretas e amarelas são as mais afetadas pela violência sexual.

Em relação ao local onde os atos violentos ocorrem, a residência é o mais frequente, o que indica que a violência doméstica ainda supera os demais números no Rio Grande do Sul. Durante a série histórica foram 63.567 casos, sendo prevalente o índice de violência na zona urbana, apontando para a possível subnotificação do mesmo índice em relação às mulheres do campo. A baixa escolaridade também está associada às notificações de violência, ressaltando que quanto menos escolarizadas, mais vulneráveis estão essas mulheres.

Entre os tipos de violência categorizados no boletim, a violência física é a mais facilmente reconhecida pela sociedade e pelos profissionais de saúde, tendo em vista a forma mais explícita com que se manifesta. Esse dado, de acordo com a análise do material, está relacionado com a compreensão que se tem do conceito de violência – que muitas vezes desconsidera violência psicológica, patrimonial, negligência, entre outras.

Quase metade das notificações de violência (42,5%) são registradas em atendimentos na atenção terciárias, em grandes hospitais e em atendimento especializado, indicando que chegaram a um grau severo de gravidade. Em segundo lugar no número de registros está a atenção secundária (31,6%) e em terceiro a atenção primária (19,6%). Esses números evidenciam que embora seja na atenção básica que ocorre o maior vínculo com a população, ela ainda é a que menos notifica casos de violência.

Esse cenário, aponta o boletim, significa que ainda existe um enorme desafio entre a realidade enfrentada pelas mulheres gaúchas e o trabalho dos profissionais de saúde que atuam na ponta, sendo fundamental capacitar e estimular a atenção primária em saúde para que esteja sensível às violências contra meninas e mulheres, identificando sinais desde o início.

Aborto legal

A publicação também traz um recorte sobre o aborto legal no Estado, apresentando dados sobre procedimentos de interrupção da gestação nos casos previstos em lei. O Rio Grande do Sul tem sete serviços de referência do SUS para a realização de aborto. Entre 2019 e 2022 foram realizadas 428 interrupções legais em decorrência de violência sexual. A representação social observada nesse cenário é de mulheres com nível de escolaridade médio e superior, o que evidencia que o perfil das mulheres vítimas de violência sexual no Estado não é o mesmo das que acessam a interrupção legal da gestação. Essa discrepância se justificaria pela falta de acesso à informação sobre direitos e torna urgente ações de fortalecimento e direcionamento de orientações junto à atenção primária à saúde.

O documento reflete a violência contra meninas e mulheres como um problema que ultrapassa os níveis de gestão (federal, estadual e municipal) e busca dar visibilidade aos reais indicadores. Como instrumento para subsidiar futuras intervenções, o boletim se propõe a assegurar agendas de proteção e ampliação do acesso universal e integral aos serviços de saúde de meninas e mulheres vítimas de violência.

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções