Diário da Manhã

sexta, 15 de novembro de 2019

Notícias

 Mais recentes

Pelotas registra menor índice de gravidez precoce em duas décadas

Pelotas registra menor índice de gravidez precoce em duas décadas
02 outubro
09:00 2019

Mesmo com declínio dos indicadores, Município segue com ações do Pacto Pelotas pela Paz, que envolvem Saúde, Educação e Assistência Social

   Pelotas registrou, em 2018, o menor índice de gravidez precoce em 20 anos. O dado foi divulgado no 1º Encontro de Estratégias para Prevenção da Gravidez na Adolescência no Município, organizado pelo Pacto Pelotas pela Paz, através do programa Infância Protegida. O evento reuniu cerca de 60 profissionais das redes de Saúde, Educação e Assistência Social, entre médicos, enfermeiros, professores, orientadores, psicólogos e assistentes sociais.

De acordo com a coordenadora do programa, Carmem Viegas, o objetivo é transcender os muros das instituições e trabalhar, cada vez mais, em rede e de forma intersetorial, com vistas a intensificar o declínio destes indicadores. As ações de prevenção no Município, em 2018, refletiram na menor taxa registrada nas últimas duas décadas: 12,1%. O valor é referente à porcentagem de bebês com mães adolescentes, com idades de 10 a 19 anos, em relação ao número de nascidos ao ano.

Mesmo com a redução gradativa evidenciada nos últimos anos – desde 2013, os índices apenas diminuem –, o número de meninas e meninos envolvidos em gestações precoces ainda preocupa a Prefeitura. No ano passado, nasceram 502 bebês com mães adolescentes. O aspecto é um dos fatores de risco ligados à violência que o Pacto Pelotas pela Paz busca enfrentar, por meio da difusão de conhecimento e da informação, especialmente, nas escolas – o grande centro de prevenção à violência.

MAPEAMENTO foi elaborado pelo Observatório de Segurança Pública do Município

MAPEAMENTO foi elaborado pelo Observatório de Segurança Pública do Município

ESTATÍSTICAS

Elaborado pelo Observatório de Segurança Pública do Município, o mapeamento dos casos de gravidez identificou que a incidência não está concentrada em uma região específica da cidade, considerando a existência de episódios em todos os bairros de forma homogênea. Até agora, o ano de 2019 também aponta uma redução significativa nos indicadores. Enquanto de janeiro a julho de 2018, 311 casos de gravidez precoce foram registrados entre as 2.474 gestações no município (12,6%), o mesmo período deste ano indica 208 casos dos 2.095 (9,9%)

Para a secretária de Saúde, Roberta Paganini, o trabalho em rede é fundamental para encontrar melhores resultados. Ela também defende o papel da prevenção realizado dentro dos educandários. “Ter um filho é uma grande responsabilidade e traz muitos desafios, sobretudo aos adolescentes que, devido à idade, não estão preparados, até mesmo por uma questão biológica”, afirmou.

   IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO

A psicóloga Marlise Flório Real foi a convidada do evento para conversar sobre a temática com os profissionais. Com mais de 40 anos de experiência e especialização na área, ela defendeu a relevância destas pessoas, envolvidas diretamente com crianças e jovens inseridos neste contexto, adquirirem conhecimento, a fim de que possam ajudar estes adolescentes com informações e não julgamentos.

“Eles vão sempre buscar conversar com quem confiam; às vezes, estas pessoas são vocês”, disse. A psicóloga também abordou questões científicas, como as diferenças entre puberdade e adolescência, e as características e sentimentos inerentes a cada etapa.

   INFÂNCIA PROTEGIDA

O programa do Pacto também está voltado para outros aspectos da proteção com a primeira infância, entre eles a erradicação do sub-registro civil, a atualização e consolidação do fluxo de atendimento a menores vítimas de violência – que envolve o Ministério Público, a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente e o Conselho Tutelar – e o fortalecimento de vínculos familiares.

No ano passado, com a meta de instrumentalizar os professores das redes de ensino municipal e estadual, a Prefeitura preparou dois materiais gráficos para os profissionais debaterem o tema em sala de aula: um guia aos estudantes e um jornal para os professores. Aos alunos da rede de ensino, foram destinados cerca de 25 mil exemplares do material e, aos docentes, aproximadamente 3 mil. O Programa Saúde na Escola (PSE) é um dos agentes fundamentais para a realização destas atividades nos educandários.

   A responsável pela 5ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), Alice Maria Szezepanski, e o coordenador do Pacto, Samuel Ongaratto também estiveram no encontro da última semana.

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções