Diário da Manhã

terça, 26 de maio de 2020

Notícias

Pelotense é a patrona da 47ª Feira do Livro

Pelotense é a patrona  da 47ª Feira do Livro
29 janeiro
14:18 2020

Nesta quarta às 21h, abertura da 47ª Feira do Livro da FURG no Cassino

Por Carlos Cogoy

Daniela Delias Feira do Livro FURG dComeça hoje, estendendo-se até 9 de fevereiro, a 47ª Feira do Livro da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). A programação, como de praxe, será à Praça Dídio Duhá na praia do Cassino. Como tema geral, a Feira apresenta “Acessibilidade e inclusão: Vidas, (Re)existências e histórias”. Com intensa programação, o evento terá atividades no Espaço Literário, Arena Cultural, Espaço Plural e Rua das Crianças. No evento, 25 bancas de livros, oito rodas de conversa, espetáculos musicais, teatrais e de dança, oficinas, contação de histórias, exposições e concursos literários. Nas sessões de autógrafos, estão agendados mais de cem escritores. Em destaque, a poetisa Daniela Delias, que será a patrona da Feira. Docente no curso de psicologia da FURG, ela é pelotense e autora de três livros de poesia. Programação completa pode ser acessada no site: www.furg.br

Daniela Delias Feira do Livro FURGPATRONA – Daniela Delias escreveu o primeiro poema aos treze anos. Os versos ficaram guardados e, quatro anos depois, ela começou a escrever com regularidade. Os textos eram registrados em cadernos. Mas, a partir de 2008, ela encontrou nos Blogs uma forma de divulgação. Na formação acadêmica, cursou psicologia na UCPel, onde também especializaçou-se em Psicoterapia Psicanalítica. O mestrado e doutorado foram na UFRGS. Professora na FURG, há mais de doze anos reside em

Rio Grande. Daniela também se dedica à fotografia. Sua literatura pode ser conhecida no endereço: danieladelias.blogspot.com

POESIA – Em 2012, Daniela lançou “Boneca Russa em Casa de Silêncios” (editora Patuá). Ela explica: “A ‘casa’ parece ser um tema recorrente no meu imaginário. Uma casa que carrego comigo, seja onde for que esteja morando. Eu havia escrito um poema que tinha entre seus versos: eu estava aqui dentro, você me ouvia? /boneca russa em casa de silêncios/ antes do verbo, dentro da carne/ meus tambores apontavam a direção. Quando o escrevi, pensava exatamente na imagem de uma matrioska, carregada de dentros, sobre o quanto ela dizia de mim, minhas casas, meus silêncios. Creio que essa foi a tônica do livro”. Já o segundo, “Nunca estivemos em Ítaca” é de 2015. Da apresentação de Leandro Durazzo: “O grande mérito dos poemas reunidos neste livro – como, no mais, da maior parte dos poemas da autora – é sua capacidade de nos carregar a um espaço distinto, que não necessariamente faz com que nos sintamos em casa, mas indica alguma, seja a casa de barro pelas mãos do avô, seja a casa de objetos e ternuras em uma caixa de guardados”. Em 2019, Daniela lançou “Alice e os dias” (editora Concha). A obra com 72 páginas, será uma das abordagens da “Noite da Patrona”, que acontecerá quinta às 21h no Espaço Literário da Feira.

 

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções