Diário da Manhã

sábado, 27 de fevereiro de 2021

Notícias

CAPOEIRA NO QUILOMBO DO ALGODÃO : Aulas gratuitas de capoeira motivaram a criação de grupos na área rural

CAPOEIRA NO QUILOMBO DO ALGODÃO : Aulas gratuitas de capoeira motivaram a criação de grupos na área rural
24 dezembro
10:01 2020

Por Carlos Cogoy

Professor Samuel, aprendizes Maurício e Ítalo, e contramestre Jarrão

No interior, 4º distrito de Pelotas, a sessenta quilômetros da área urbana, está localizado o Quilombo do Algodão. No local residem descendentes de trabalhadores que, escravizados nas charqueadas, construíram o apogeu econômico da cidade. No quilombo, no entanto, a realidade contrasta com os casarões. A energia elétrica somente chegou há dez anos, e as famílias sobrevivem com pouco. Projetos e pesquisas têm proporcionado o resgate da história, e visibilidade aos quilombolas. Neste ano, a organização Ponto Capoeira, após breve interrupção durante a pandemia, em outubro retomou as oficinas e aulas gratuitas no Algodão. Aos sábados à tarde, foram realizadas as aulas e rodas, que integraram diferentes gerações de moradores, e motivaram a criação de três grupos de capoeira.

CULTURA – Na equipe do projeto Capoeira no Quilombo, aprovado em edital do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PROCULTURA) da Secult, o contramestre Jarrão, que há quase trinta anos dedica-se à prática. Também o professor Samuel Duarte de Souza, e os capoeiristas aprendizes Ítalo Borges Ribeiro e Maurício Leal Pons. Conforme explica Jarrão – entre 2015 e 18 residiu na Inglaterra, e levou a capoeira a diferentes países -, o objetivo é a sintonia e conexão, entre a prática enraizada na cultura afro-brasileira, com os saberes e vivências dos quilombolas. Portanto, uma experiência de aprendizado mútuo. De acordo com a produtora cultural Alexandra Dias, o projeto instiga a autoestima, e o empoderamento da identidade negra.

Autoestima, integração e troca de saberes

GRUPOS – No quilombo, as aulas acontecem em três frentes, ou seja, na chegada, depois nas imediações da moradia da dona Teresa, e culminam nas proximidades da casa do “seu Zé”. Em cada localidade, foi criado um grupo, que reúne desde crianças, adolescentes e adultos. O contramestre Jarrão lembra que, em 2007 já ministrava aulas no Algodão. Ao retornar neste ano, reencontrou alunos daquela época, que agora são pais. Então, os filhos daqueles primeiros alunos, já estão participando nesta nova fase. Com a chegada do Natal e Ano Novo, o projeto terá uma pausa. Em 2021, acrescenta Jarrão, será retomado. No grupo também participam as voluntárias Jane e Mel. As fotos são autoria de Éder Rodrigues. Saiba mais acessando: https://capoeiranoquilombo.wixsite.com/meusite

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções