Diário da Manhã

quarta, 25 de novembro de 2020

Notícias

Retomada completa dos serviços eletivos do SUS ainda vai demorar

Retomada completa dos serviços eletivos do SUS ainda vai demorar
27 outubro
16:03 2020

Falta de pessoal e dificuldades estruturais dificultam retomada total de procedimentos eletivos do SUS em Pelotas

Secretária de Saúde admite ser impossível definir um prazo para serviço ser normalizado

                A normalização dos atendimentos ambulatoriais, exames e cirurgias eletivas pelo SUS em Pelotas depende de tantas variáveis que é impossível fixar um prazo para que isso aconteça. A constatação foi feita pela própria secretária municipal de Saúde, Roberta Paganini Ribeiro durante reunião pública online promovida nesta terça-feira pelas comissões de Saúde e Direitos Humanos da Câmara de Vereadores.

A falta de médicos especialistas, espaços físicos adequados e a indisponibilidade de contar com equipamentos usados em exames de imagens que atualmente estão dentro de áreas destinadas à pacientes contaminados por Covid-19, são alguns dos fatores apontados pela secretária para justificar a dificuldade dos hospitais em atender a totalidade dos procedimentos contratados pela Prefeitura. “Não vou dizer para a população que é certo que tudo será retomado, porque não é. O certo é que estamos tentando. Olhamos o coletivo e nos preocupamos, também nos preocupamos com os casos individuais, mas há muitas incertezas, ainda estamos em um quadro de pandemia”, comentou.

Marcola ReuniãoAproveitando a participação dos diretores dos hospitais os presidentes das comissões de Saúde, vereador Marcos Ferreira, o Marcola (PTB) e de Direitos Humanos (CDH), Daiane Dias (PL) questionaram a origem dos problemas e as soluções estudadas por cada instituição. “Precisamos dimensionar o que já foi feito e saber quais alternativas estão sendo buscadas, pois a população está aflita com a espera, pois tudo pode esperar menos um tratamento de saúde”, ponderou Marcola.

A presidente da CDH fez um apanhado das reclamações e pedidos de ajuda que a Câmara recebe semanalmente e cobrou um posicionamento mais direto da Prefeitura sobre o tema. “A gente que vive dentro da vila não pode querer que as pessoas achem que tudo está bem e vai se resolver, a população bate na Câmara querendo solução porque não está encontrando os atendimentos na Saúde”, disse.

DIFICULDADES – O afastamento de médicos por integrarem grupos de risco para Covid-19 e o uso de áreas físicas dos hospitais para instalação de UTI’s e enfermarias para os pacientes da pandemia foram os dois principais problemas apresentados pelos diretores para justificar a demora em retomar a totalidade dos serviços eletivos. “O Hospital Escola foi a referência para Covid-19, então desde março estamos com todos os recursos humanos e estrutura voltado para este atendimento. Abrimos 20 de enfermaria e 20 de UTI e tivemos que mobilizar muitos profissionais que atuavam nos ambulatórios e que passaram a cumprir plantão nas áreas Covid, como equipes de pneumologia e cardiologia que não podem voltar ao atendimento ambulatorial porque são essenciais no atendimento da pandemia”, exemplificou Carolina Ziebell, gerente de atenção à saúde do Hospital Escola da Universidade Federal de Pelotas.

Na Beneficência Portuguesa a reabertura do ambulatório fechado desde abril surge como alento para minimizar parte dos problemas, porém a necessidade de contratar novos médicos especialistas devido o afastamento de profissionais que fazem parte do grupo de risco para contaminação pelo coronavirus impede de se estimar prazos para o hospital atingir o teto dos serviços contratados pelo município. Um dos grandes dramas são os atendimentos oftalmológicos, principalmente as cirurgias de catarata para as quais a Beneficência é referência. Com parte da área destinada para novos leitos Covid a direção da instituição encontra dificuldades para retomar os 800 procedimentos/mês registrados antes da pandemia. “Houve um aumento da fila e hoje temos uma demanda reprimida. Estamos tentando aumentar os atendimentos para novembro, mas ainda é impossível chegar a 100%”, revela.

Os diretores da Santa Casa e do Hospital São Francisco relataram problemas semelhantes e informararm trabalhar para ampliar os serviços eletivo a partir de novembro, mas também fizeram coro aos demais sobre a impossibilidade de prever um retorno completo. “Não temos uma real expectativa de quanto vamos conseguir nos reorganizar de novo”, declarou Fernando Siqueira, diretor de Operações da Santa Casa.

O presidente da Comissão de Saúde da Câmara, vereador Marcola (PTB) avaliou como positiva a reunião apesar das indefinições. “O ideal seria poder apresentar prazos e número concretos para a comunidade, mas é preciso entender que vivemos um momento sem igual na história do mundo e o sistema de saúde está extremamente pressionado, por isso vamos aguardar mais uns dias para então fazer uma nova avaliação da situação”, disse.

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções