Diário da Manhã

sábado, 06 de março de 2021

Notícias

Sociedade de Pediatria do RS defende volta às aulas presenciais mas questiona obrigatoriedade

Sociedade de Pediatria do RS defende volta às aulas presenciais mas questiona obrigatoriedade
08 fevereiro
08:47 2021

O tema é motivo de preocupação da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS) que entende a importância da retomada das aulas com máximo cuidado sanitário. No entanto, é preciso na visão da entidade médica, ter uma ressalva com a palavra “obrigatoriedade”, uma vez que a realidade de cada família precisa ser respeitada.

“Como médicos temos preocupações do ponto de vista de emocional, cognitivo, de desenvolvimento, depressão e obesidade. Não se nega a gravidade da pandemia, mas é preciso lembrar que tão cedo não haverá vacinação para crianças e não é possível esperar uns 2 ou 3 anos para ser ter uma vacina. Até lá, os efeitos acadêmicos e psicológicos seriam muito graves. Porém, a obrigatoriedade causa um ranço jurídico. Não é possível obrigar a família que se sinta em risco a mandar os seus filhos para escola”, explica o médico da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, José Paulo Ferreira.

O Brasil é o país que mais tempo ficou em aulas online. As evidências que ajudam a incentivar o retorno são baseadas nos últimos dez meses quando viu-se que a criança mostrou-se não tão transmissiva quanto se temia no início da pandemia. Além disso, percebeu-se que as crianças que tiveram contato com o coronavírus apresentaram sintomas muito mais brandos, ainda que aconteçam exceções.

“Neste momento é fundamental haver um bom senso. Não há sentido a criança ser impedida de ir a escola ao mesmo tempo em que frequenta clubes, piscinas, praças e vai a uma padaria, por exemplo. Os riscos são iguais ou, até mesmo, maiores do que na escola, onde haverá uma série de regras a serem seguidas”, completa.

A SPRS também manifesta preocupação com todos os professores e trabalhadores envolvidos no sistema educacional. O retorno às aulas dependerá de condições que assegurem a proteção a esses trabalhadores, tanto na rede privada como na pública.

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções