Diário da Manhã

terça, 15 de junho de 2021

Notícias

 Mais recentes

HUSFP cria “receita ilustrada” para garantir tratamento de uma criança indígena

HUSFP cria “receita ilustrada” para garantir tratamento de uma criança indígena
12 maio
08:57 2021

Tabela criada por profissionais do hospital da UCPel usa figuras e cores para identificar horários e remédios

Quem nunca teve dificuldade em compreender uma receita médica? Dosagem, horário, muitas vezes  uma dúvida e a administração errada do medicamento podem  resultar na piora do paciente. A situação se torna ainda mais complicada quando o doente é o próprio filho. Essa foi a realidade vivida por uma família indígena, moradora do interior de Pelotas. A dificuldade enfrentada pelos pais para compreenderem as orientações médicas foi superada pela criatividade da equipe de profissionais do Hospital São Francisco de Paula (HUSFP/UCPel). Eles criaram uma “receita ilustrada” para garantir que  Gael de 3 anos,  portador de uma doença cardíaca de possível origem genética, se mantenha saudável e longe do hospital.

RECEITA tem formato de uma tabela composta por fotos e figuras

A ideia surgiu após médico, psicólogas e assistentes sociais do HUSFP/UCPel, além de integrantes da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), Secretaria Municipal da Saúde (SMS),  Conselho Tutelar e Ministério Público, investigarem o motivo de tantas internações – apenas no HUSFP/UCPel  foram nove baixas hospitalares.

“Fizemos uma reunião com a presença da família e do cacique da aldeia em que vivem e conseguimos o diagnóstico: não era falta de adesão ao tratamento, mas erro na administração da medicação. Eles se atrapalhavam na diluição e quebra de comprimidos, além dos horários”, lembra o pneumologista pediátrico, João Carlos Bandeira Affonso Neto, que acompanha Gael.

A IDEIA EM CONSTRUÇÃO

Com a causa das internações esclarecida os profissionais da psicologia hospitalar do HUSFP/UCPel entraram em ação. As psicólogas supervisoras, junto com os alunos do curso de Psicologia e o médico da criança, resolveram apostar na cultura da família para criar uma receita acessível e capaz de ser seguida sem dúvidas.

“Para compreensão de quais adaptações  eram necessárias, o serviço de psicologia hospitalar conversou com os pais para entender a realidade vivida na aldeia e as suas maiores dificuldades. O papel da psicologia hospitalar é auxiliar na travessia da experiência do adoecimento, minimizando o sofrimento que este pode causar”, relata a supervisora de psicologia hospitalar, Anelise Cesar Lopes Neves.

A equipe de profissionais do HUSFP/UCPel precisou superar as limitações da mãe de Gael com a língua portuguesa – ela se comunica apenas  no idioma da etnia Kaikang, além de  fazer com que se sentisse segura para dar os remédios ao  filho. O pai até conseguia ler as determinações do médico, mas nem sempre estava por perto para ajudar. E assim agiram em duas frentes criando a “receita ilustrada” e substituindo medicamentos que precisavam ser diluídos por remédios manipulados, mantendo apenas um comprimido.

A “RECEITA ILUSTRADA”

A receita adaptada foi baseada na original e tem o formato de uma tabela composta por fotos e figuras. Remédios são identificados por cores. A figura do sol mais ameno com nuvens significa a manhã, o sol intenso quase laranja- a tarde, o sol sumindo no horizonte é o entardecer e a lua é o símbolo da noite. Assim foram definidos os horários dos medicamentos. Já a dosagem correta exigiu um cuidado ainda maior, segundo a também psicóloga supervisora, Suélin Raatz Thiel.

“Colamos etiquetas coloridas nos frascos e conforme a cor de cada medicação, identificamos as seringas, um total de seis. Além disso, marcamos na seringa a quantidade de cada medicamento. Então na hora de dar o remédio a mãe associa a cor da etiqueta do frasco com a cor da etiqueta da seringa que já tem a marca da dosagem a ser administrada”, explica.

No dia da alta do hospital as psicólogas realizaram uma espécie de treinamento com a mãe de Gael para garantir que ela havia compreendido a “receita ilustrada”.

CUIDAR DO FILHO

A família está sendo acompanhada pelos serviços de saúde do município, assim como pela Sesai e Fundação Nacional do Índio (Funai). Uma nova consulta no HUSFP/UCPel está marcada para junho, quando os resultados da “receita ilustrada” serão avaliados.

Mas os primeiros sinais de que a ideia simples, mas com uma boa dose de cuidado com o paciente, tem tudo para dar certo já foram notados na alta do hospital.

“Os pais demonstraram ficar gratos, confiantes , felizes e emocionados com a compreensão de que mesmo com dificuldades eles podem cuidar do seu filho”, revelou uma das psicólogas do HUSFP/UCPel.

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções