Diário da Manhã

quarta, 01 de dezembro de 2021

Notícias

 Mais recentes

Pacientes internados com Covid recebem atendimento odontológico

Pacientes internados com Covid recebem atendimento odontológico
25 novembro
13:18 2021

Projeto Atenção Odontológica Hospitalar inova ao oferecer tratamento para pessoas internadas em UTI Covid.

Pacientes são acompanhados mesmo depois da alta médica

O sorriso da diarista Sandra Farias está escondido pela máscara, mas refletido no olhar. Ao se preparar para a última consulta na Clínica Odontológica da Universidade Católica de Pelotas (UCPel) ela conta como foi a internação na UTI Covid do Hospital Universitário São Francisco de Paula (HUSFP). Dias em que recebeu um atendimento inesperado – foi acompanhada pelos integrantes do projeto de extensão Atenção Odontológica Hospitalar, do curso de Odontologia da UCPel. A ação extensionista tem realizado o atendimento odontológico de pacientes internados na UTI Covid e, também, após a alta hospitalar. A iniciativa inovadora já se tornou alvo até de uma pesquisa acadêmica sobre a importância da atuação do cirurgião-dentista em um leito de tratamento intensivo para ajudar a reduzir a mortalidade.

“Me atenderam super bem, eles fizeram me sentir segura, que eu ia ser bem atendida e que eu não ia pegar Covid de novo aqui, que ia ser bem cuidada”. É assim que a Sandra revela como foi o tratamento que admitiu não ter dinheiro para fazer. Ela faz parte de uma lista de cerca de 20 pacientes, até agora, que receberam os cuidados com a saúde oral no leito da UTI Covid do HUSFP e quando tiveram alta, após a recuperação, concluíram o tratamento. O coordenador do projeto extensionista, professor Guilherme Antonello, explica que o atendimento em UTI já era feito antes da Covid. Mas com a pandemia surgiu a intenção de tratar da saúde oral de casos mais graves de infectados pelo coronavírus. “A UTI é o nosso principal meio de atuação. É onde nós observamos a diferença que faz o nosso tratamento. Onde a gente consegue baixar os índices de morbidade, comorbidade e até de mortalidade em altíssimos níveis. Com as nossas ações e, evidentemente, de toda equipe da UTI Covid do HUSFP, a proposta é melhorar a taxa de sobrevida de muitos pacientes”, relata Antonello, destacando a importância dessa ação na formação dos futuros cirurgiões-dentistas.

Da UTI para o consultório 

Os alunos, com a supervisão dos professores, realizam exames clínicos e fazem a higiene bucal dos internados na UTI Covid, colaborando na atenção multidisciplinar dedicada pelo hospital a estes pacientes, explica o professor Giovane Gomes, um dos supervisores da ação extensionista. Ao ser constatada a necessidade de prosseguir o tratamento, após a alta hospitalar, é feito o contato pelos integrantes do projeto e o paciente passa do leito para a cadeira do dentista na Clínica da UCPel. “São pessoas que têm uma grande necessidade odontológica e por isso a gente procura fazer o agendamento e concluir o tratamento aqui, oportunizando a retomada da saúde oral”, explica Gomes.

Segurança reforçada

A decisão de retomar as atividades dentro do HUSFP foi tomada pelo projeto, lembra o professor Antonello, com o cumprimento de todas as determinações do protocolo sanitário adotado pelo hospital. “Cumprimos de forma rígida todas as fases do protocolo, desde a paramentação com os equipamentos de proteção individual, a higienização das mãos, até o acesso com cuidado às alas. Graças a isso não tivemos alunos ou professores infectados até agora”.

Projeto e pesquisa

A ação extensionista na UTI do HUSFP, também se tornou objeto do trabalho de conclusão de curso de uma das integrantes do projeto. A aluna do 10° semestre da Odonto, Camila Amaral Pinto, resolveu utilizar a prática para analisar a importância do cirurgião-dentista fazer parte da equipe das UTIs. Segundo ela, os resultados preliminares apontam que em muitos casos a intervenção na saúde oral do paciente auxiliou na recuperação e na alta da unidade de tratamento intensivo. “Acompanhar um paciente que está entubado, fazer a higienização oral dele é muito mais difícil do que um paciente de enfermaria. Durante o meu trabalho conclui que quando o cirurgião-dentista entra nessa equipe multidisciplinar da UTI para cuidar da saúde oral tem sim um resultado positivo para esses pacientes”, afirma a discente, ao lembrar que ainda tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 883/2019, que prevê a obrigatoriedade da presença do cirurgião-dentista nas UTIs dos hospitais brasileiros.

Notícias Relacionadas

Comentários ()

Seções